O fotografo Alfredo De Stéfano nos apresenta sua arte.   O deserto é o cenário e  inspiração para trazer imagens que são verdadeiras pinturas. Simples, misteriosas, únicas.

Abaixo um texto de Juan Esteves que descreve a obra do artista.

O deserto, em sua vasta concepção, é um lugar que abriga inquietações, promove um relacionamento de poder e alimenta as questões racionais, e também aquelas mais espirituais que a arte tenta espelhar e traduzir.

Na obra de Alfredo De Stéfano, torna-se um épico da fotografia, cuja dicotomia se reveste da arte do espaço intocado e da intervenção humana. Alfredo De Stéfano assegura que se há espaços intocáveis é porque o homem ainda não chegou até eles. A proposta de “Replenishing Emptiness”, série de 2002, abriga um caráter temporal em que o fotógrafo sugere existir o vazio porque não existe vida, e o que se encontra desumanizado é porque não é habitável. A fotografia se encarrega de registrar essa situação paradoxal, refletindo na arte seus signos e significâncias.
O diálogo entre o ser e o espaço também é visível nas sua orientação para série ‘Brief Chronicle of Light”( 2004). O que ele chama de intervenção única é a criação máxima de um artista visual. Ele apreende Heidegger, quando a arte não pode conquistar o espaço e sim representá-lo. Existe uma espécie de jogo mútuo em que o ambiente não é apenas um cenário e sim parte da sintaxe do artista. Ele é repleto de significados, ainda que esteja vazio, assim trazendo mais um paradoxo às nossas questões.
Se existe um certo atavismo, exposto nas imagens de De Stéfano, este é ainda mais reforçado com as fotografias de seus “Ongoing
projects” (2007-2008) produzidas no Atacama, no Sahara e na Austrália.
A necessidade do artista em “abraçar” os lugares torna sua obra cosmológica, ultrapassando as questões limítrofes de seu México natal. Alfredo De Stéfano, com suas “alucinações e sólidas geografias” remove assim, os obstáculos da contemporaneidade e –
metaforicamente – o horizonte de todos nós. Ao erguer sua paisagem interior, no entanto, estes momentos fixados no infinito não se
evaporam, e sim, se materializam nas alegorias, com suas dúvidas e incertezas quanto a humanidade e seu destino mais premente.

Veja algumas fotos de seu trabalho:

 

Principais Exposições

2012 Silent Infinity, Yvonamor Palix, Fine Arts, Houston, Tx, USA
2011 Onde o Horizonte Evapora , Galeria de Babel, São Paulo, Brasil
Donde El Horizonte Se Evapora, Festival Internacional de la Imagen-Fini-
Pachuca, Hgo, México
2010 Grid 2010 – Bienal Internacional De Fotografía Amsterdam, Holanda
2009 Bienal Internacional de Guangzhou, Guangdong Museum of Art,
Guangzhou, China
Site Seeing: Explorations of Landscape, Center for Photography at
Woodstock, Woodstock, NY
2008 Breve Cronica de Luz GE Galeria, Monterrey, Mexico
2007 El Desierto Configurado, Fotologia 5, Bogota, Colombia
The desert: a place of illusion a space of silence, Perth
International Arts Festival, Perth, Australia
2006 Mitos-Mitomanos, Picasso Mio Gallery, Barcelona, España
2005 Points of View – Photography in El Museo del Barrio`s permanent
collection,
Museo del Barrio, NY
Breve Cronica de Luz, Galeria Praxis, Mexico, DF
Dialogos con La Tierra, Galeria Spectrum Sotos, Zaragoza, España.
ARCO Madrid.
2004 Breve Cronica de Luz, Instituto de Mexico, Madrid, España
Huesca Imagen, Sala de Exposiciones, diputacion de Huesca,
Huesca, España
Narration of Nature, Anne Reed Gallery, Ketchup, Idaho
Mexican Report, Blue Star Gallery / Instituto de Mexico, San
Antonio, Texas.
Habitar el Vacio, Luther Bean Museum, Denver, USA
2003 Habitar el Vacío, Universidad de Texas, Austin, Texas
Tunnel of Vision, Art Basel / Miami, Daniel Azoulay Gallery
México Illuminated, Albright College, Freedman Gallery, PA
Focus Daniel Azoulay Gallery, Miami, Florida
Contemporary Mexican Photographers, Maria Torres Gallery,
Tucson, Arizona
Habitar el Vacío, CECUT, Tijuana, BC
2003 Centro Cult. Manuel Alvarez Bravo, Oaxaca, Mexico
Paradise Lost? Aspects of Landscape in Latinamerican Art, Lowe
Art Museum, Miami, Florida
Stone Institute of Mexico, Miami, Florida
Corps et Fruit Baudoin Lebon Gallery, Paris, France
2002 Habitar el Vacío, Centro de la Imagen, México, DF
2000 El Cuerpo y la Fruta, Casa de Francia, México DF
El Arte del Riesgo/El riesgo del Arte, Fototeca de Nuevo León,
Monterrey, Mexico
1999 Vibración del Vacío, Galeria Emma Molina, Monterrey, Mexico
1998 Metáforas Fotografía Construïda en México, Fundación Banco
Centro, San José, Costa Rica
21 Milioni Sala de Consiglio Provinciale di Napoli, Napoli Italia,
1997 Muestra de Fotografía Latinoamericana Instituto de Cultura
Puertoriqueña, San Juan de Puerto Rico.
1996 Metáforas Fotografía Construída en México, Monterrey, NL
El Paisaje Intervenido Foto Fest 96, Houston, Texas
Vestigios del Paraíso, Museo Biblioteca Pape, Monclova, Mexico
1995 The 7 th International, Photographic Art Exhibition, Beijin, China,
The Hasselblad Austrian Super Circuit, Linz, Austria
1994 13 Fotógrafos Contemporáneos” Centro de la Imagen, México DF
54º Salon Internacional de Fotografía de Japón, Tokio, Japão

 

Alfredo De Stéfano é representado no Brasil pela Galeria de Babel.

Marília Veiga é uma profissional especializada em Decoração de interiores há mais de 30 anos. Possui um amplo portfólio de projetos  residenciais, comerciais e empreendimentos imobiliários.  Acompanhe as tendências mundiais do design de interiores no blog da Marília Veiga.